Bate-papo IDOT – Clauton Maranhão

1). Fale um pouco da sua formação como Fisioterapeuta e como Osteopata.

Não tive muita experiência na atuação como fisioterapeuta, pois exerci como tal, apenas enquanto cursava a graduação, por exemplo, nos estágios. Sabendo que precisaria cursar uma pós-graduação e a osteopatia sendo uma área que sempre me fascinou, resolvi então me especializar nesta área.
Ingressei no curso de osteopatia do Idot no ano seguinte ao término da faculdade (abril 2012), e já em julho de 2012, iniciei meus primeiros atendimentos como osteopata. A partir daí, me empenhei ainda mais nos estudos da filosofia osteopática.

2). Como foram os primeiros anos e como está atualmente sua vida profissional? Sabemos que todo início é complicado e compartilhar isso, pode ajudar quem está lendo a criar coragem para dar esse grande passo.
Sim! Realmente os primeiros anos devem ser de muita dedicação, empenho e propósito. Quando se tem um objetivo, principalmente em uma área que necessita de grande dedicação como esta, deve se ter em mente que será necessária disponibilidade financeira, bem como empenho para estudo aos finais de semana, e a troca de horas de sono por horas de absorção de conhecimento.
Hoje, me sinto extremamente realizado, procurando sempre manter o fascínio e empenho inicial para que minha caminhada nessa estrada se solidifique e continue tendo uma direção segura e satisfatória, tanto pessoal quanto para meus pacientes.

3). Deixe um recado para os leitores, fisioterapeutas e alunos de fisioterapia. Que dica você pode dar para eles?
Busque algo que realmente possa atender seus propósitos e acredite no seu potencial. Dificuldades são situações que encontramos em vários momentos, você terá duas opções ao se deparar com alguma dificuldade; faça dela uma situação favorável e cresça enxergando oportunidades; ou permita que ela seja algo maior que você, se deixando vencer.

“A força que penetra o universo é bem maior do que a que brilha através dele. ”

 

CLAUTON MARANHÃO