Você sabia que o fígado é um dos grandes responsáveis em casos de pacientes que se sentem sem energia?

Você sabia que o fígado é um dos grandes responsáveis em casos de pacientes que se sentem sem energia?

 

Frequentemente, pessoas reclamam de se sentirem muito cansadas sem motivos aparentes, algumas relatam que antes faziam muito mais esforços sem se sentirem tão esgotadas e agora as simples atividades diárias por muitas vezes causam não somente um cansaço físico, mas também mental. Os grandes culpados que se encontram em muitos desses casos são as alterações hepáticas.

 

O fígado está envolvido diretamente em processos muito importantes de obtenção de energia para o organismo, entre eles a conversão de glicogênio em glicose e glicose em glicogênio, chamadas de glicogênese e glicogenólise, respectivamente, e ainda a gliconeogênese, processo no qual a glicose será transformada em lactato, glicerol e aminoácidos.

 

Além disso, o fígado é um dos responsáveis pelo armazenamento de ferro e caso o órgão esteja sobrecarregado, ele pode não realizar sua função corretamente e um dos sabidos sintomas da falta de ferro também é o cansaço.

 

No entanto, quando há uma sobrecarga de refinados, gorduras de má qualidade e proteínas em excesso na dieta, o indivíduo acaba por sobrecarregar o fígado e essas conversões são prejudicadas, alterando também tanto o armazenamento quanto a obtenção de energia.

 

Para evitar tais distúrbios, o paciente deve tomar simples condutas, dentre elas:

  • Diminuir a ingestão de proteínas animais.
  • Evitar comidas com grandes concentrações de gordura, farinhas refinadas, açúcar e álcool e hidrogenados.
  • Aumentar a ingestão de bebidas quentes e mornas e evitar bebidas frias, que inibem as enzimas e deixam a digestão mais lenta.

 

Para melhorar a função hepática e sentir-se com mais energia, o paciente pode ingerir alimentos como:

  • Água.
  • Frutas: limão, maçã, toranja, abacate, abacaxi.
  • Alho.
  • Vegetais de folhas verdes, gengibre, rabanete e escarola.

 

Obviamente que associada à alimentação deve-se avaliar apropriadamente o paciente e se necessário tratar outras alterações que se façam presentes nos testes referenciais.

 

Escrito porProf Matheus Astorga