Osteopatia Estrutural

Segundo Irwin Koor, a estrutura (tecido músculo-esquelético) representa 80% de nosso corpo. Realiza interconecções com diversos outros tecidos e pode estar frequentemente acometido por sinais/sintomas ou disfunções. É comum pacientes se queixarem de dores estruturais ao longo da vida e a Osteopatia Estrutural surge como recurso terapêutico manual para avaliação e tratamento deste sistema.

 

O terapeuta com a formação em Osteopatia Estrutural é capaz a diagnosticar e corrigir as disfunções nos tecidos ósseo, muscular, neural, fascial e ligamentar. Baseia-se na biomecânica corporal, compreendendo o funcionamento de todo o corpo de forma integrada, entendendo que qualquer alteração tecidual pode quebrar a homeostase do corpo e gerar sintomas.

 

Dentre as varias técnicas de tratamento, o Osteopata possui diversos recursos:

- AVBA (alta velocidade e baixa amplitude) e mobilizações para as disfunções articulares e ligamentares;

- stretching  e inibições de pontos gatilho para as disfunções musculares;

- técnicas funcionais para o tecido conjuntivo (ligamentos, fascias, tendões);

- técnicas neurodinâmicas para o tecido nervoso;

 

O objetivo das técnicas é de devolver a função específica de cada tecido restrito e assim, melhorar a homeostase e a capacidade do corpo se encontrar a própria cura. A Osteopatia estrutural é indicada para:

- Protusões e hérnias discais
- Ciáticas 
- Torcicolos
- Lombalgias agudas ou crônicas
- Vertigens, neuralgias cervicobraquiais
- Tendinites (LER/DORT)
- Dor miofascial
- Entorses e traumas
- Cefaléias
- Disfunções esportivas, ortopédicas, traumática, entre outras.

 

O IDOT oferece a formação completa em Osteopatia Estrutural em diversas unidades espalhadas em todo o Brasil. Seja diferente, faça parte da família IDOT.