Grandes Osteopatas da História: William Smith MD DO 1862-1912

Prof. Guilherme Luchesi, CEI


Médico itinerante se destacou por contribuir de forma grandiosa no crescimento inicial da Osteopatia.

Um dos nove filhos de um engenheiro civil britânico, William Smith nasceu na Jamaica num período em que seu pai coordenava as obras da primeira ferrovia daquele país. Em sua juventude, retornou a Edimburgo na Escócia e decidiu se tornar médico, dada a admiração por um médico da sua família. Em 1880, ingressou no curso de Medicina na University of Edinburgh, onde nos quatro primeiros anos se dedicou aos tratamentos de doenças venéreas na enfermaria local. Nesse período, Smith contraiu sífilis e precisou se retirar dos estudos para recuperação. Ao retornar, viajou por Manchester, Londres, Paris e Viena, aprofundando-se em estudos e pesquisas, até que em 1888 recebeu a licenciatura em três grandes áreas: medicina, cirurgia e obstetrícia.

Exausto da vida na Escócia, Smith então migrou para os EUA, onde iniciou sua prática clínica e trabalhou como representante de vendas para uma companhia de suplementos médicos, inicialmente no Brooklyn e viajando por todo o país. Em uma dessas viagens, Smith conheceu Dr. Andrew Taylor Still, em Kirksville, no ano de 1892. Nesse momento, Smith tinha 30 anos de idade e era excelente na teoria médica, no entanto não obteve muitos resultados em seus primeiros anos de prática no Brooklyn. Intrigado pela terapêutica osteopática e apaixonado por anatomia, Smith foi contratado a fim de lecionar anatomia para a primeira turma de Osteopatia da American School of Osteopathy em troca de aprender essa nova ciência da saúde.

,  em Kirksville, no ano de 1892. Nesse momento, Smith tinha 30 anos de idade e era excelente na teoria médica, no entanto não obteve muitos resultados em seus primeiros anos de prática no Brooklyn. Intrigado pela terapêutica osteopática e apaixonado por anatomia, Smith foi contratado a fim de lecionar anatomia para a primeira turma de Osteopatia da American School of Osteopathy em troca de aprender essa nova ciência da saúde.

Dr. Smith e a Radiologia osteopática

Smith foi considerado um dos pioneiros nos estudos radiológicos associados a medicina osteopática. Em 1898, ele publicou um artigo na American X-Ray Journal intitulado “Skiagraphy and the circulation”, evidenciando como se deveria observar os fluidos nas imagens radiológicas. Ele iniciou os estudos assim que as máquinas de raio X estiveram disponíveis no mercado, em 1898 a Escola de Osteopatia de Still adquiriu sua primeira máquina.

Nas tentativas de estudar a circulação por meio do raio X, Smith foi o primeiro a experimentar várias substâncias como contraste, até evidenciar que o bissulfato de mercúrio resultava em uma excelente opacificação, melhorando a visibilidade nos vasos sanguíneos em cadáveres.

Constante peregrinação e anos finais

Em 1900, Smith deixou Kirksville e tornou-se presidente da Atlantic School of Osteopathy, na Pensilvânia. Em 1902, abriu um consultório em St. Louis, no Missouri, novamente sem muitos resultados com a prática clínica. Em junho de 1907, voltou a Kirksville para lecionar anatomia. Nessa época, estava casado e com dois filhos. Apesar de amado pelos alunos, Smith não estava satisfeito com a remuneração de professor e precisava de mais dinheiro para cuidar de sua família, resolvendo assim mudar-se para Nova Iorque para dedicar-se a uma nova tentativa em ser clínico. Os resultados não foram diferentes das outras tentativas. Desapontado, decidiu então retornar a Escócia, morrendo de pneumonia em 1912.

Contribuições para o crescimento da Osteopatia

Na história da Osteopatia, Smith foi o primeiro médico tradicional a reconhecer o valor do tratamento osteopático e também o primeiro médico de formação tradicional a lecionar na Escola de Osteopatia do Dr. Still. Com seus conhecimentos, ele contribuiu de forma grandiosa nos ensinamentos de anatomia e fisiologia para as primeiras turmas e ainda na organização do currículo de formação. Smith ainda se dedicou a aprofundar os estudos em radiologia para provar um dos pilares da base filosófica da Osteopatia, a Regra da Artéria. Inicialmente, um curioso pelos possíveis milagres e determinado a desmascarar essas farsas, Smith tornou-se muito próximo do Dr. Still e um companheiro confiável, finalizando sua vida como um grande defensor do Dr. Still e da Osteopatia pura.

Referências

Grigg ER. Peripatetic pioneer: William Smith, M. D., D.O. (1862-1912).J Hist Med Allied Sci. 1967 apr.; 22(2):169-79.

Gevitz N. The “Diplomate in Osteopathy”: From “School of Bones” to “School of Medicine”. The Journal of the American Osteopathic Association. 2014 feb.; Vol. 114, 114-124. doi:10.7556/jaoa.2014.025


 [Nome completo na primeira vez em que é citado.